Residência de Medicina de Emergência: Viver de Plantão para o Resto da Vida?

Spread the love

Nos últimos anos surgiu algo interessante no Brasil: a residência de medicina de emergência.

Em nossa trajetória como médicos, muito nos interessamos pelo assunto de emergências e pronto-socorro.

Além disso, após a nossa Masterclass Gratuita Escolha da Especialidade (11-21 de junho), recebemos muitos feedbacks querendo saber mais sobre as especialidades em si.

Devido a isso, e a proximidade que tivemos com o tema em nossas residências no HC-FMUSP, hoje decidimos trazer a você uma abordagem diferente.

Uma entrevista honesta, sincera e absolutamente completa sobre tudo que você precisa saber sobre a Residência de Medicina de Emergência!

Significa viver de plantão para o resto da vida?
Significa viver no caos e sob estresse todos os dias?
Significa ganhar o mesmo que recém-formados?
Isso e muitas outras objeções que as pessoas têm sobre essa especialidade – nova no Brasil, mas já antiga em outros países – iremos desmistificar hoje.

Ainda há poucos Residentes nessa especialidade, e há informação escassa sobre a mesma. Queremos que isso mude a partir de hoje.

Descobrindo a Residência de Medicina de Emergência

A Medicina de Emergência é a especialidade médica que concentra seu foco de atenção no paciente que se apresenta basicamente com três características fundamentais:

  1. Explica pra gente Eduardo, o que exatamente é a especialidade Medicina de Emergência?

Potencial gravidade;
Apresentação aguda;
Diagnóstico indefinido.
Ou seja, é o médico especialista – e vale frisar: não existe nenhuma outra especialidade com esse mesmo foco – no paciente que abruptamente apresenta um quadro clínico ainda sem explicação, sem diagnóstico, e que potencialmente coloca sua vida em risco, independente da sub-área da medicina na qual ele provavelmente se encaixe.

E importante: isso tudo independente de que doença é, quem é o paciente ou aonde ele esteja (pré hospitalar, intra-hospitalar, áreas remotas, etc). É como diz o lema da especialidade nos EUA (já existente há 50 anos): “Anyone, anything, anytime“.

  1. O que te levou a escolher a Residência de Medicina de Emergência? Aqui na Medway é preto-no-branco, não precisa de romancismos com a gente!
    Simples. Na minha concepção, perante todas as situações possíveis que alguém precisa de um médico (por exemplo: uma cirurgia, uma consulta com especialista, um pré-natal, ou mesmo numa UTI), o cenário onde é mais decisivo ter o melhor médico possível, com treinamento formal para estar lá, é o cenário de a pessoa ser acometida subitamente por uma doença ainda sem diagnóstico e que a possa levar a óbito na próxima hora caso não seja rapidamente identificada e fornecido o tratamento inicial; ou seja: numa emergência.

É lá que eu quero estar.

  1. É fato: muita gente gosta de trabalhar em Pronto Socorro. Mas igualmente muita gente têm objeções fortes quanto à especialidade, como por exemplo: Precisarão viver de plantão (como fonte de renda única) para o resto da vida; Não aguentariam o estilo de vida de plantões por mais de 10-20 anos; Acham o Pronto-Socorro (PS) um ambiente muito estressante;
    Essas objeções são reais? Como você as vê?
    É muito simples: quem falou que emergência é sinônimo de plantão, de desordem, de stress?

Pelo contrário, só é assim no Brasil porque não existia (ainda) a especialidade, ou seja, um grupo de pessoas formalmente preparadas e decididas a fazer bem feito e com qualidade.

Finalizando…

A especialidade completa 50 anos nos EUA agora em 2018. Na grande parte dos hospitais o turno do Emergencista profissional é de 6 a 8 horas. Afinal, por quê não? O ambiente é organizado, fluxos bem estudados e bem estabelecidos.

Nosso entrevistado gentilmente cedeu o email dele para que você possa tirar qualquer dúvida que tenha em relação a essa nova especialidade.

Como pôde se ver, as concepções dessa nova especialidade vão muito além dos (pré-)conceitos que geralmente se têm.

Entre em contato via eduardo.joao@hc.fm.usp.br para tirarem suas dúvidas! Ou entre em contato conosco que repassaremos a dúvida!

Para saber mais, a Residência de Medicina de Emergência do HC-FMUSP tem um site próprio, não deixem de conferir: http://www.residenciamehcfmusp.com.br/

E nos dêem o feedback!

Seja através do nosso formulário de contato ou do Facebook, nos avise se curtiu esse tipo de conteúdo de entrevistas para que a gente possa produzir mais artigos nesse formato

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *